José de Freitas/PI,  17 de janeiro de 2022
 
16 de dezembro de 2021 Informações da Postagem: Por Luís Silva Imprimir Postagem

Acusado de estuprar e matar jovem em Esperantina está preso em Barras

Está detido na cidade de Barras Micael Sabino do Prado, o rapaz de 18 anos acusado de estuprar e matar Daniela Araújo. De acordo com o delegado de Esperantina, Ayslan Magalhães, ainda nesta quinta-feira será encaminhado para um presídio. O delegado falou que perícia vai determinar se o estupro foi antes ou depois do homicídio.

Após o crime ele foi levado para se esconder em Brejo do Maranhão, atravessando pelo Rio Parnaíba na cidade de Matias Olímpio.

Após dois dias de diligências, Micael Sabino  se entregou à Polícia Civil do Piauí na quarta-feira (15). Ele é apontado como o principal suspeito do estupro e assassinato a pedradas da ex-namorada, Daniela Araújo Silva, de 24 anos, em Esperantina na última segunda-feira (13). O corpo dela foi encontrado na casa do padrasto na localidade Milênio, em Esperantina.

“Ele a priori se apresentou de forma espontânea, após ligar para a gente. Tínhamos feito uma diligência dia 13 de dezembro na cidade e ele estava na casa da tia dele. Recomendamos que ela o orientasse a se entregar. Na tarde de ontem, ele ligou para a gente e nos deslocamos até a cidade”, explicou. Ayslan Magalhães, titular da 13ª Delegacia Regional de Esperantina.

Com o pedido de prisão preventiva expedido após a negociação, o suspeito foi detido pelos agentes de segurança. Ao ser interrogado, Micael confirmou ter se relacionado com a vítima na noite do crime, mas negou ter envolvimento na morte da jovem.

“Foi dado voz de prisão a ele na delegacia. Ele foi preso e está detido na cidade de Barras, mas hoje mesmo será encaminhado para uma unidade prisional. Foi feito interrogatório, ele negou a acusação mas assumiu que manteve relação sexual com a Daniela no dia anterior”, explicou Magalhães.

Daniela Araújo foi encontrada morta, com as roupas rasgadas e sinais de violência sexual. Apesar do laudo do Instituto Médico Legal (IML) ainda não ter sido concluído, o delegado responsável mantém a suspeita de estupro. “Foi confirmado a conjunção carnal, inclusive com material biológico pra coleta”, concluiu.


Comentários

icone Facebook