José de Freitas/PI,  17 de setembro de 2021
 
24 de agosto de 2021 Informações da Postagem: Por Luís Silva Imprimir Postagem

Confira 10 dicas para sobreviver à gasolina batendo nos R$ 7

O alto custo para abastecer traz grande impacto no orçamento, especialmente entre aqueles que usam carro ou moto como ferramenta de trabalho, a exemplo de motoristas de aplicativo, taxistas e entregadores.

As dicas para reduzir o consumo que você confere abaixo podem ser seguidas sempre e não apenas em tempos de carestia. Afinal, não tem razão para desperdiçar. 

Basicamente, os “dez mandamentos” que trazemos aqui estão relacionados ao estilo de condução e a cuidados com a manutenção, que farão você tirar o máximo de cada gota de gasolina.

1 – Calibre corretamente os pneus do carro

Imagem: Reprodução

Verifique a pressão recomendada para os pneus no manual do proprietário – ela, inclusive, pode variar de eixo para eixo e também de acordo com a quantidade de carga transportada.

 Pneus abaixo da pressão ideal aumentam a superfície de contato com o solo. Com isso, fazem com que o motor utilize mais energia para manter o carro rodando, elevando o consumo. Por outro lado, pneus cheios demais deixam o veículo muito “duro” e podem reduzir a vida útil de componentes da suspensão.

Não se esqueça de verificar a calibragem a cada 15 dias, sempre com os pneus frios, como recomendam as montadoras. Quando estão quentes, o ar dentro deles se expande e você acaba calibrando com pressão abaixo da indicada.

2 – Dirija com suavidade e antecipe manobras

Imagem: Paulo Pinto/Fotos Públicas

De acordo com a Renault, o estilo de condução, sozinho, pode reduzir em pelo menos 10% o consumo de combustível.

Mudar hábitos ao volante, de fato, faz toda a diferença. Antecipar frenagens, não “esticar” as marchas e fazer as trocas na rotação certa, por exemplo, são mandamentos que não apenas aumentam a autonomia a cada abastecimento – também contribuem para poupar freios e outros componentes e reduzem as emissões de poluentes.

Acelere e freie de forma gradual e utilize o freio-motor nas reduções de velocidade. Além disso, descer ladeiras na “banguela” (com o câmbio em ponto-morto) não ajuda a economizar combustível e, ainda por cima, contribui para o desgaste prematuro dos freios.

3 – Verifique regularmente o alinhamento das rodas

Imagem: Reprodução

Outro fator que eleva o consumo de combustível e contribui para o desgaste prematuro dos pneus são rodas desalinhadas, destaca o Cesvi Brasil (Centro de Experimentação e Segurança Viária).

 Em média, a recomendação é checar o alinhamento a cada 10 mil quilômetros rodados ou quando você percebe que o veículo está “puxando” para um lado. 

Faça também o balanceamento dos pneus para evitar trepidações e manter o carro estável – o que também contribui para aumentar a autonomia.

4 – Troque o óleo e o filtro dentro do prazo

Imagem: Reprodução

Conforme a Renault, cuidar da manutenção do carro, o que inclui efetuar as revisões dentro do prazo e da quilometragem recomendados, reduz o gasto de combustível em pelo menos 10%.

Isso inclui a troca de óleo lubrificante do motor, bem como a substituição do respectivo filtro. 

Especialmente se o carro já tiver alta quilometragem, vale verificar o nível do óleo uma vez por semana.

Cheque o nível do óleo do motor semanalmente e substitua o lubrificante no prazo e/ou na quilometragem recomendados no manual. O mesmo vale para filtros. O filtro de óleo, inclusive, deve ser substituído em cada troca do lubrificante. Motor com lubrificação inadequada eleva o atrito de partes internas, resultando em consumo maior de combustível e, pior, danificando componentes.

5 – Não deixe motor ferver e cheque válvula do radiador

Imagem: Reprodução

Não deixe de verificar o sistema de arrefecimento do motor nas revisões do veículo, pois rodar acima da temperatura ideal é um dos fatores que faz seu carro “beber” mais do que deveria. 

Nessa verificação, se o nível do líquido estiver abaixo do recomendado, vale conferir se existe algum vazamento nas tubulações. 

Contudo, completar o nível com água da torneira é uma prática não recomendável, pois provoca corrosão e até entupimento de tubulações, de dutos internos e até da bomba d’água – além de diminuir a temperatura de ebulição.

Ao consultar o manual do proprietário de diferentes veículos, a orientação básica é a mesma: colocar água destilada ou desmineralizada em combinação com o aditivo recomendado pela montadora. 

Além disso, vale ficar de olho na válvula termostática. Se apresentar problemas, ela pode travar na posição aberta, liberando a total passagem do fluido de arrefecimento para o radiador, alerta o Cesvi Brasil.

Isso faz o motor trabalhar em temperatura abaixo da ideal. Assim, o sistema de injeção “entende” que o motor está frio, enviando mais combustível para a queima sem necessidade.

6 – Confira o estado de cabos, velas e filtro de ar

Imagem: Reprodução

Outro fator que impacta negativamente o gasto de combustível são velas e respectivos cabos em más condições.

Esses componentes são essenciais para promover a queima ideal do combustível e perdem a eficiência com o tempo.

Portanto, devem ser verificados e trocados no prazo recomendado pela fabricante do veículo. Esse prazo deve ser antecipado caso se verifique que as velas e/ou os cabos já não funcionam como deveriam.

Além disso, confira regularmente as condições do filtro de ar do motor. Se ele estiver saturado, a combustão é prejudicada e o carro passa a “beber” mais.

7 – Cheque o catalisador e o escapamento

Imagem: Reprodução

Responsável por converter gases tóxicos resultantes da queima do combustível em água, gás carbônico e nitrogênio, o catalisador eleva o consumo e as emissões caso esteja danificado. 

Além disso, pode haver desprendimento de componentes internos do catalisador e do sistema de escape, obstruindo a saída dos gases. Isso faz a temperatura do motor subir e também eleva o consumo. 

Combustível de má qualidade é outro vilão que rouba a eficiência do equipamento e faz o seu veículo elevar o gasto de combustível.

8 – Fuja de combustível adulterado

Imagem: Reprodução

Abastecer com gasolina “batizada” é uma das causas mais comuns para o aumento no consumo. Produtos usados para aumentar o volume do produto comercializado na bomba, como solvente, fazem o veículo perder rendimento e podem danificar uma série de componentes internos.

Consequentemente, o sistema de injeção acaba colocando mais combustível no motor. 

A alta inesperada no consumo, verificada logo após o abastecimento, é inclusive um indício clássico de que a gasolina pode ter sido adulterada.

Para se proteger, exija sempre a nota fiscal do posto, pois a prática comprova que você adquiriu combustível naquele estabelecimento e quando isso aconteceu.

9 – Nada de carregar peso sem necessidade

Imagem: Reprodução

Manter o porta-malas e a cabine cheios de coisas das quais você não precisa só faz aumentar o peso do veículo, exigindo mais do motor e fazendo o consumo subir. 

Além disso, remova bagageiros e suportes de bicicleta quando estão fora de uso.

10 – Utilize o ar-condicionado corretamente

Imagem: Reprodução

O ar-condicionado pode aumentar em 20% ou até mais o consumo de combustível, pois o compressor do equipamento é acionado por correia ligada ao motor.

Nunca dirija com o ar ligado e os vidros abertos, principalmente em rodovias: a turbulência de ar que entra na cabine exige esforço do motor para manter o veículo em movimento, elevando o consumo até mais do que se você mantivesse a climatização ligada com os vidros fechados.

Além disso, se o clima não estiver muito quente, evite colocar o resfriamento no máximo.


Comentários

icone Facebook