José de Freitas/PI,  19 de agosto de 2022
 
20 de julho de 2022 Informações da Postagem: Por Luís Silva Imprimir Postagem

Sindicalista acusa Capitão-PM de tentativa de homicídio ao quebrar escápula de seu marido durante manifestação de professores no Piauí

A presidente do Núcleo Regional do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte), de Bom Jesus-PI, a 605 km de Teresina, Ana Maria Soares de Sousa, afirmou, nesta terça-feira (19 de julho de 2022), que  o capitão-PM Ricardo, do Gabinete Militar da Governadora do Piauí, Regina Sousa (PT) e segurança do pré-candidato do PT ao Governo do Estado, Rafael Fonteles, cometeu o crime de tentativa de homicídio ao derrubar e quebrar a escápula de seu marido, o trabalhador autônomo Sebastião Miranda de Sousa, o Bastim, durante a manifestação dos professores da rede pública estadual de ensino no Clube Verão Quente, no Centro de Bom Jesus, na última sexta-feira (15 de julho).

Ana Maria disse que os professores estavam fazendo uma manifestação pacífica com licença formal do Departamento de Trânsito e licença do Governo do Estado com pagamento de taxa de 40,80 para a Secretaria Estadual de Fazenda, com objetivo de ter a segurança da Polícia Militar do Piauí, quando o capitão Ricardo exigiu que o volume do carro de som fosse baixado e mostrou sua arma.

Segundo Ana Maria, o capitão-PM Ricardo, em seguida derrubou seu marido no chão com o objetivo de acabar e dispersar a manifestação dos professores que reivindicam o cumprimento de aumento salarial de 33,24% para a categoria.

“Foi uma tentativa de homicídio porque derrubou meu marido no chão para que a manifestação acabasse. Quando vi meu marido agredido pelo capitão, fiquei sem chão, choro quando recordo da cena e vou procurar ajuda psicológica”, declarou Ana Maria.

Ana Maria e Sebastião Miranda estão em Teresina-PI porque ele passou a sentir fortes dores e foi falar com um médico na capital piauiense.

“Quando eu fui derrubado, senti como se fosse uma facada. A pancada fez um grande buraco na minha escápula, que chamam de pá. Ainda estou sentindo dores fortes”, falou Sebastião Miranda de Sousa,  que foi submetido a tomografia em Teresina e o médico lhe deu licença para ficar sem trabalhar por três meses para tratamento de saúde.
“Eu não fui agredido por um policial, mas por um pistoleiro”, declarou Sebastião Miranda. Ana Maria acusou o ex-governador Wellington Dias de ser um coronel.

Fonte: TV Piauí/Efrém Ribeiro


Comentários

icone Facebook